Connect with us

Hi, what are you looking for?

Cinema

Coluna Caio Augusto: Crítica | Crônicas de Natal: Parte Dois

(Foto: Reprodução)

(Foto: Reprodução)

Crônicas de Natal: Parte Dois é estrelado por Kurt Russell, Goldie Hawn, Darby Camp, Judah Lewis, Jazhir Bruno, Julian Dennison e Kimberly Williams-Paisley. Lançado na Netflix em 25 de novembro de 2020, o filme mostra o Papai Noel tentando salvar o Polo Norte de um encrenqueiro travesso.

O filme é dirigido por Chris Columbus, que também dirigiu filmes como “Uma Noite de Aventuras”, “Esqueceram de Mim”, “Uma Babá Quase Perfeita”, “O Homem Bicentenário” e “Pixels”. É uma sequência do filme de 2018 “Crônicas de Natal”, que foi produzido por Columbus. Você sabe o que tornará a temporada de férias deste ano excelente? Vendo Kurt Russell em um terno de Papai Noel. Você sabe o que o tornará ainda mais especial? Vendo Kurt Russell e Goldie Hawn como Sr. e Sra. Claus. É um presente que continua dando, e ainda nem é Natal. Dois anos atrás, a Netflix lançou um pequeno filme que acabou sendo uma comédia de Natal melhor do que o esperado. De sua história agradável à atuação de Kurt Russell como Papai Noel, “Crônicas de Natal” foi capaz de se tornar a próxima tradição de Natal. Na verdade, foi bem-sucedido o suficiente para gerar um acompanhamento, o que prova que as pessoas simplesmente não se cansam de Santa Kurt. Apesar de alguns problemas, eu consegui curtir “Crônicas de Natal” quando foi lançado, principalmente por causa de Russell e seu tom natalino.

Isso me deu uma desculpa perfeita para conferir sua sequência, na qual o casal da vida real Russell e Hawn reprisando seus papéis como Papai Noel e Sra. Claus, respectivamente, e Chris Columbus assumindo como diretor em vez de Clay Kaytis, o diretor do primeiro filme. Ele tem alegria festiva suficiente para justificar sua existência? Vamos descer para o Polo Norte e descobrir. que tem o casal da vida real Russell e Hawn reprisando seus papéis como Papai Noel e Sra. Claus, respectivamente, e Chris Columbus assumindo como diretor, em vez de Clay Kaytis, o diretor do primeiro filme. Ele tem alegria festiva suficiente para justificar sua existência? Vamos descer para o Polo Norte e descobrir. que tem o casal da vida real Russell e Hawn reprisando seus papéis como Papai Noel e Sra. Claus, respectivamente, e Chris Columbus assumindo como diretor, em vez de Clay Kaytis, o diretor do primeiro filme. Ele tem alegria festiva suficiente para justificar sua existência? Vamos descer para o Polo Norte e descobrir.

Passando vários anos após o primeiro filme, a história mais uma vez segue Kate (Camp) e Teddy Pierce (Lewis), dois irmãos que agora são adolescentes. Sua mãe Claire (Williams-Paisley) está agora em um relacionamento com seu novo namorado Bob (interpretado por Tyrese Gibson) e de forma típica, Kate não está feliz com isso. Durante as férias com a família, Kate, junto com o filho de Bob, Jack (Bruno), inesperadamente é transportada para o Pólo Norte, onde ela se reúne com o próprio homem alegre, Papai Noel (Russell). Quando um elfo encrenqueiro chamado Belsnickel (Dennison) ameaça cancelar o Natal para sempre, cabe a Kate, Jack, Papai Noel e Sra. Claus (Hawn) salvar o feriado mais uma vez. Este é outro tipo de filme de “corrida contra o tempo” que está nos mesmos moldes de seu antecessor, mas com algumas diferenças. A maior parte da ação se passa no Polo Norte, em vez de na cidade, tem um antagonista na forma de Belsnickel, e Teddy Pierce é deixado de lado enquanto sua irmã mais nova sai para salvar o dia. Desculpas para aqueles que gostam de Judah Lewis no original.

O que eu gostei em “Crônicas de Natal” foi que apesar de sua qualidade extravagante para crianças, ele entregou um monte de amuletos de Natal em sua história inofensiva e suas mensagens comoventes. Ah, e também a nova visão de Kurt Russell sobre o Papai Noel. “Crônicas de Natal: Parte Dois” oferece mais do mesmo, o que deixaria alguns fãs muito felizes, mas, assim como qualquer outra sequência de um sucesso estrondoso, ficou aquém de ser tão alegre quanto o original. A maioria das coisas que fizeram de “Crônicas de Natal” um sucesso de Natal na Netflix estavam presentes na sequência, como o seu brega, ainda adorável, charme natalino e uma mensagem que deve ressoar bem com aqueles que estão lidando com a possibilidade de uma família mesclada. Outra coisa que não mudou foi o próprio Kurt Russell. Sua atuação como Papai Noel foi mais uma vez a melhor parte do filme, e sua química com Hawn (que também teve uma atuação respeitável como a Sra. Noel) tornou sua presença tão doce quanto uma bengala. No entanto, no que diz respeito à narrativa, o filme se tornou um pouco cafona demais para seu próprio bem.

O enredo era muito formal e genérico, o diálogo era um pouco sem graça e as relações entre alguns dos personagens eram muito fracas. Eu também tive alguns problemas com os efeitos CGI do filme. Enquanto alguns deles pareciam toleráveis, o resto dos efeitos pareciam flutuantes como o inferno, como se eles não fossem consistentes com a ação cinética amigável para crianças que foi representada no filme. Não sou o único que percebeu isso, certo? Outra pequena falha que tive foi o elenco de apoio. Eles não são totalmente horríveis, mas eu não diria que são tão divertidos quanto Russell e Hawn. Darby Camp e Jazhir Bruno se saíram bem como Kate e Jack respectivamente, embora eu gostaria de vê-los mais juntos para desenvolver plenamente seu relacionamento. Julian Dennison, que é conhecido por seus papéis em “Hunt for the Wilderpeople” e “Deadpool 2“, tornou-se conhecido na tela mais uma vez, desta vez como um elfo vilão cujo coração está cheio de mágoa e travessura, e eu tinha que dizer que este foi, infelizmente, o desempenho mais fraco de sua carreira até agora. Eu pensei que Belsnickel era um bom vilão, mas a maneira como Dennison pronunciou algumas de suas falas não foi tão convincente quanto pensei que deveria ser. Apenas parecia forçado para mim.

De modo geral, “Crônicas de Natal: Parte Dois” é uma sequência de férias estereotipada cuja banalidade pode ter se exagerado um pouco. No entanto, se o objetivo de Chris Columbus era fazer um filme familiar inofensivo que enchesse o coração das pessoas com a alegria e a felicidade do Natal durante esse período difícil, incluindo o meu, acho que ele fez seu trabalho muito bem. Não compete com outros gostos de sua outra comédia natalina “Esqueceram de Mim”, mas tem muitos bons momentos de que gostei, como Kurt Russell e Goldie Hawn, também conhecidos como as verdadeiras estrelas do show. Apesar de sua história genérica, um elenco de apoio medíocre e seu CGI sem brilho, acredito que o filme é adequado para pessoas que gostam de seu antecessor e para aqueles que precisam de um pouco de alegria de férias este ano.

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja agora!

Famosos

Estrela de primeira grandeza! Esse é peso de Camila Queiroz no cenário da teledramaturgia brasileira. A atriz, que foi lançada no mercado em Verdades...

Exclusivo

Nada de A Fazenda! Caio Castro, que por anos foi um dos principais galãs da TV Globo, já tem oficializada a sua nova casa...

Cinema

Uma mistura hilária de humor e assassinatos com muitas mortes sangrentas O diretor de A Morte Te Dá Parabéns, Christopher Landon, está de volta...

Cinema

Luzes piscando, multidões e um movimento vertiginoso da câmera A Festa de Formatura começa com impressões raivosas de uma estreia musical na Broadway. Duas...