Connect with us

Hi, what are you looking for?

Cinema

Coluna Caio Augusto: Crítica | Coffee & Kareem

(Foto: Reprodução)

(Foto: Reprodução)

A comédia de estúdio está em um lugar muito estranho no momento. Os estúdios hesitam em fazer a comédia de orçamento médio (cada vez menos são produzidos a cada ano) que foi tão prevalecente nos anos 90 e no início dos anos 2000. Em meio a uma bilheteria cada vez mais divergente – indie ou super-herói -, a matemática não funciona para filmes, com exceção de A Noite do Jogo ou Good Boys nos últimos anos. Mas com a Netflix e companhia precisando de um motivo para manter as pessoas assistindo, filmes como Coffee & Kareem têm um lugar para chamar de lar. Infelizmente, isso não significa que Coffee & Kareem – e outros filmes como esse – sejam bons. Apesar de apresentar algumas pessoas muito famosas, um adolescente divertido e um valor decente de produção, o filme não sabe se quer ser uma espécie de comédia de amigos para crianças, sátira para adultos nas ruas ou brincadeira de ação divertida. Um valete de todos os negócios…

Coffe (Ed Helms) é um policial agradável e desajeitado. Ele está namorando Vanessa Manning (Taraji P. Henson), mãe solteira e enfermeira. O filho de Vanessa, Kareem (Terrence Little Gardenhigh), é um rapper de boca suja, que quer ser um gangster, que está realmente confuso (como a maioria dos adolescentes). Simplificando, Kareem não gosta de sua mãe namorando um homem branco. Então, enquanto Coffee quer se conectar desajeitadamente com Kareem (como um padrasto esperançoso faria), Kareem o está preparando para pegar uma surra de alguns traficantes de drogas. É claro que a dupla tropeça nos traficantes matando um policial sujo, desencadeando uma reação em cadeia de eventos que não é tanto um filme, mais como uma sequência de peças.

coffe

Enquanto Coffee e Kareem tentam salvar Vanessa e descobrem os policiais sujos em sua delegacia, eles também devem navegar em seu próprio relacionamento. Entre sequestros, tiros, brigas de cocaína e mais sequestros, o filme tenta forjar um relacionamento de pai e filho que parece um pouco vazio. E essa história emocionante é indicativa da questão maior do filme: falha em escolher uma via ou conhecer seu público.

Comercializada como uma comédia de amigos que se inclina mais para crianças e famílias, C&K quase não agrada. No entanto, a ação não é árdua e as apostas são bastante baixas, o que impedirá quem procura um filme sério (como, por exemplo, como a Seção Ritmo leva muito longe nessa direção). Não sabe o que é, da mesma forma que outras comédias amplas como Keanu ou The Other Guys . Dito isto, existem alguns momentos genuinamente engraçados, e o Kareem, profanado, é carismático o suficiente para não ser cansativo. No geral, Coffee & Kareem seria melhor se focasse só na comédia, mas poderia ser pior. poderia ser Troco em Dobro.

Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja agora!

Cinema

Uma mistura hilária de humor e assassinatos com muitas mortes sangrentas O diretor de A Morte Te Dá Parabéns, Christopher Landon, está de volta...

Cinema

Luzes piscando, multidões e um movimento vertiginoso da câmera A Festa de Formatura começa com impressões raivosas de uma estreia musical na Broadway. Duas...

Cinema

Ostentação de melhor desempenho do protagonista Desde que o filme O Abutre fez bastante sucesso em seu lançamento em 2014, o perfil do ator...

Cinema

As indicações ao Oscar saem em janeiro e esse é um dos principais, se não o principal fime para ficar de olho. A pandemia,...